Por que devo ler provérbios?

1) É a Palavra de Deus
É de conhecimento de muitos que o livro de Provérbios é um livro complexo. Contudo, é necessária sua leitura porque o texto é a Palavra de Deus.
A nossa Confissão de Fé de Westminster (CFW) categoricamente coloca a Bíblia como única e suficiente regra pela qual podemos glorificar a Deus; ela é soberana, porque são palavras do próprio Criador do céu e da terra (2 Tm 3:16)
(mais…)

Continuar lendo Por que devo ler provérbios?

Ensinos de uma pandemia

Todos temos vivenciado a chegada da Pandemia do Coronavírus (COVID-19) no Brasil nos últimos dias. Ainda existem muitas incertezas de como esse novo vírus irá se desenvolver no Brasil. Tudo o que projetamos para o nosso país é baseado em realidades de saúde, clima e população diferentes. Ainda não vemos hospitais em situações caóticas, pessoas doentes ao nosso redor, ruas vazias ou um cenário extremo de que os analistas falam.
(mais…)

Continuar lendo Ensinos de uma pandemia

O Verdadeiro Amor

“Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém, o maior deste é o amor” 1 Co 13.13

O verbo amar é uma palavra cheia de definições e o seu uso é tomado para defesa de qualquer coisa ou mesmo a desculpa perfeita para justificar um erro. Porque pessoas usam, muita das vezes, dessa virtude para justificar um desejo pecaminoso ou para persuadir o outro a aceitar o seu desejo? (mais…)

Continuar lendo O Verdadeiro Amor

A Páscoa tal qual ela é

As cenas são conhecidas de quase todos. Mas, vamos recordar. Sua oração ao Pai na madrugada, antevendo o que iria passar dentro de mais alguns momentos. Sua prisão, sua condução ao Sumo Sacerdote, a Pilatos e a Herodes. Sua volta à presença de Pilatos, seu julgamento, sua condenação e pena – morte por crucificação – seu caminho para o Gólgota, Monte Caveira, fora dos muros da cidade de Jerusalém.

(mais…)

Continuar lendo A Páscoa tal qual ela é

Ecos do Púlpito  

O livro de juízes narra a história do povo de Deus desde a morte de Josué até bem perto de Samuel, o último juiz e o instituidor da monarquia, por exigência do povo. O verso que pode resumi-lo é 21.25 onde lemos: “Naqueles dias, não havia rei em Israel; cada um fazia o que achava mais reto”.

(mais…)

Continuar lendo Ecos do Púlpito